Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de maio de 2016. Atualizado às 19h32.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

LITERATURA

Notícia da edição impressa de 17/05/2016. Alterada em 16/05 às 16h20min

9ª FestiPoa Literária homenageia o cartunista Laerte Coutinho

9ª FestiPoa Literária, que abre amanhã, homenageia 
Laerte Coutinho

9ª FestiPoa Literária, que abre amanhã, homenageia Laerte Coutinho


RAFAEL RONCATO /DIVULGAÇÃO/JC
Ricardo Gruner
Nem só de livros vive a Festipoa Literária, cuja nona edição começa amanhã. Com oficinas, leituras, lançamentos e debates, o evento acontece até domingo em diferentes espaços culturais de Porto Alegre. Além das iniciativas voltadas diretamente às letras, o cronograma contempla ainda cinema, exposições e performances. E a abertura, amanhã, no Ocidente (Osvaldo Aranha, 960), já dá algumas pistas sobre a tônica de parte da programação de 2016. A partir das 19h30min, a atividade se inicia oficialmente, com uma conversa entre Eloar Guazelli e Laerte Coutinho. "Laerte tem essa postura de opinar e falar sobre o problema das minorias. E os dois são bastante políticos em seus trabalhos", resume o organizador, Fernando Ramos.
Em 2014, o produtor disse ao Jornal do Comércio que não acreditava que a festa já era uma atração plenamente estabelecida. Duas edições mais tarde, ele não vê uma mudança substancial na programação, mas enxerga um aumento ano a ano no alcance dela. E uma consolidação, ao menos entre o público ligado a atividades literárias. "A questão do homenageado é importante, porque atinge um outro tipo de pessoas interessadas, não só as do meio", cita ele. "Vimos isso com o Vitor Ramil, no ano passado.".
Para a iniciativa que começa amanhã, a personalidade escolhida para ter seu trabalho celebrado foi Laerte Coutinho. "Tem uma nova geração bem ligada nela. Além do pessoal que a acompanha há muito tempo... Sua carreira tem 40 anos", justifica o organizador. Com projetos também na televisão, a artista gráfica já era uma opção de Ramos desde 2013 - mas questões de agenda atrasaram a ideia. Para dialogar com a convidada, o organizador colocou no papel de anfitrião o quadrinista Eloar Guazelli, de atuação também em animações e roteiros. Do encontro entre os dois, que são amigos, pode-se esperar conversas sobre trajetórias e a relação estreita com a literatura.
Além da dupla, o evento inclui participação de cerca de 50 convidados, em locais que vão da Casa de Teatro até a Sala de Cinema P. F. Gastal. Na quinta-feira, por exemplo, a Palavraria (Vasco da Gama, 165) recebe a mesa-redonda Um teto todo nosso - as escritoras e os espaços literários, com três autoras do Estado: a romancista Julia Dantas, a contista Cíntia Moscovich e a poetisa Eliane Marques. O evento acontece a partir das 18h30min. Já no sábado, a programação é extensa e variada. Às 16h, o Instituto Goethe (24 de Outubro, 112) é palco para a apresentação Sou negritude e feminismo, com a rapper Negra Jaque. "Esses dois exemplos resumem uma linha do evento. A Negra Jaque faz um trabalho socioeducativo com música e tem um discurso que chama atenção para a periferia e para as mulheres", expõe Ramos, associando as atividades às bandeiras defendidas por Laerte.
Outras duas ações de destaque acontecem no sábado, no mesmo local. Estados em poesia, às 16h30min, reúne um time de oito convidados, que, além de trazer à Capital diferentes sotaques, é formado por novos nomes: "Uma geração abaixo dos 40 anos". A outra indicação do realizador é a presença de Marcelo Backes. Pesquisador da literatura alemã, o gaúcho está finalizando a tradução de um romance de fôlego de Hubert Fichte, Explosão. O convidado deve ler trechos da obra e falar sobre a importância do autor, às 18h30min.
Entre as atrações também estão uma exibição do filme Tropykaos, de Daniel Lisboa; o recital Caio F - em construção; abertura da exposição coletiva Ao volante - ilustrações para poema de Fernando Pessoa; e apresentação de uma peça em um ato baseada na obra de Laerte. "Quem sabe no ano que vem homenageamos alguém da área do cinema, do teatro, como já escolhemos Ivo Bender?", questiona Fernando Ramos, tendo como base a diversidade do programa.
Todas as atrações em http://festipoaliteraria.blogspot.com.br.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia