Porto Alegre, sexta-feira, 22 de abril de 2016. Atualizado às 14h51.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
31°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5820 3,5840 1,44%
Turismo/SP 3,4700 3,7200 1,63%
Paralelo/SP 3,4800 3,7200 1,63%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt


Teatro

Notícia da edição impressa de 22/04/2016

K x K: Kraemer encena Kane

Sarah Kane é um nome infelizmente ainda pouco conhecido no Brasil. Escreveu apenas cinco peças, mas é considerada a dramaturga inglesa mais importante do final do século XX. Estreou com Blasted (Devastada), em 1995, suicidou-se em 1999, aos 26 anos de idade, sendo sua quinta e última obra, considerada autobiográfica, encenada apenas depois de sua morte: 4:48 Psicose, referência à hora em que um psicótico chegaria ao ponto culminante de sua desesperança em que atinge a coragem de se matar.
Eduardo Kraemer, que assina o espetáculo Cadarço de sapato ou ninguém está acima da redenção, afirma que o texto seria uma criação coletiva de todo o grupo. Imagino, porém, que tenha sido ele quem, ao final, tenha feito a costura, a seleção e a organização das cenas, de modo a se ter uma narrativa coerente e, não apenas, uma colagem fragmentária de cenas e alusões. O que se tem, como resultado, é trabalho de pouco mais de uma hora de duração, extremamente denso e tenso, que evidencia um amadurecimento do dramaturgo (seja ele quem for) e do encenador: porque o espetáculo está sempre no limite da emocionalidade, mas nunca escorrega para o emocionalismo e, sobretudo, guarda estrita relação entre elementos biográficos da dramaturga e alusões aos textos por ela produzidos, ao longo de sua curta e produtiva vida.
O título da obra faz referência direta ao objeto utilizado pela autora em seu suicídio. Há, assim, uma indicação de que texto e espetáculo buscam relacionar a biografia e a obra, sem concretizar, contudo, um procedimento mecânico. Neste sentido, ganha significado o fato de que, se a obra de Kane poderia ser considerada desesperada, descrente na humanidade, niilista e por aí afora, algumas passagens escolhidas para serem apresentadas na montagem evidenciam exatamente o contrário: se Sarah Kane escrevia para salvar-se (e salvar a nós todos, suas projeções e continuidades), ela, na verdade, acreditava no ser humano, e buscava, ao escrever, justamente livrar-se do peso das correntes e emoções que a puxavam para o fundo do poço, tentando situar-se acima da água que terminaria por afogá-la. A leitura de Kane, portanto, tem de ser feita sempre sob tal perspectiva.
Eduardo Kraemer, a exemplo de outros vários de seus trabalhos, assina mais um espetáculo extremamente pessoal, o que não quer dizer individualista. O Teatro Ofídico, seu grupo, é, de certo modo, uma expansão de sua personalidade. Assim, qualquer espetáculo assinado por Kraemer é sempre uma assinatura coletiva, na medida em que os integrantes de seu grupo se identificam com um projeto e assim se comportam. Portanto, qualquer trabalho do Teatro Ofídico é um espetáculo coletivo, e assim deve ser considerado Cadarço de sapato. Mas isso não impede que as individualidades também possam se afirmar ao longo do espetáculo: Renato Campão, premiado no ano passado, como melhor ator, tem uma performance muito bem marcada por variações emocionais admiráveis; Rejane Meneghetti - que figura, por vezes, uma rainha - é precisa em suas entradas em cena; Adriana Lampert é eloquente, sobretudo na sequência que protagoniza bem junto ao público, na primeira metade da encenação (eloquência intimista, sem contradição). Por fim, Aline Szpakowski é uma dividida figura feminina, que se equilibra com um problemático personagem corporificado por Gustavo Razzera, enquanto Jairo Klein distancia-se de seu inolvidável Fernando Pessoa para se transformar numa figura como que mitológica em cena.
Em tudo, e o tempo todo, desde o primeiro minuto da encenação, o público é como que trazido ao palco, misturado aos personagens e envolvido por seus traumas e desafios. A cenografia de Alexandre Navarro, igualmente premiada no ano passado, trabalha com pedaços, com objetos rotos, com sobras - metáfora das personagens e de suas condições. Eduardo Kraemer, considerado o melhor diretor de 2015, mais do que merecidamente, pode retornar com seu espetáculo e mostrar porque tem se projetado e afirmado enquanto realizador teatral.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Tereza Rachel - menos uma
No final da semana passada, o Brasil perdeu outra grande atriz, Tereza Rachel. Judia de nascimento, fez do teatro seu espaço de militância
Maldita e abençoada utopia
Livro de bolso de Paulo Flores conta a história do grupo Ói nóis Aqui Traveiz
Shakespeare, nosso contemporâneo
Neste abril, comemoramos tanto o nascimento quanto a morte do dramaturgo inglês William Shakespeare
Frustrante porque equivocado
Depois da queda, de Arthur Miller, estreou em 1964, pouco tempo depois da morte de Marilyn Monroe, com quem ele esteve casado em torno de 5 anos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo