Porto Alegre, quarta-feira, 13 de janeiro de 2016. Atualizado às 12h41.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
33°C
31°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9760 3,9780 1,68%
Turismo/SP 3,6500 4,1700 1,65%
Paralelo/SP 3,6500 4,1700 1,65%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

lava jato 08/01/2016 - 12h58min. Alterada em 08/01 às 18h19min

Supremo autoriza quebra de sigilos fiscal e bancário de Cunha, mulher e filha

Valter Campanato/Agência Brasil/JC
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, teve sigilos quebrados

O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a quebra dos sigilos fiscal e bancário do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), da sua esposa, Cláudia Cruz, e da filha do parlamentar Danielle Dytz. Os três são investigados por suspeita de terem mantido contas sigilosas na Suíça, que seriam usadas para receber recursos desviados da Petrobras.
O ministro acatou um pedido formulado pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Os investigadores acreditam que, com a medida, poderão colher informações sobre possíveis irregularidades nas movimentações financeiras do presidente da Câmara e da família dele.
A PGR também quer avaliar se pessoas próximas ao deputado, mas que ainda não são alvo de investigação, também estão envolvidas nos supostos crimes investigados.
De acordo com investigações do Ministério Público suíço, os recursos atribuídos ao presidente da Câmara circularam por pelo menos 23 contas bancárias no exterior. Entre saques e depósitos que abasteceram quatro contas em nomes de offshores que têm o deputado como beneficiário, os ativos transitaram por bancos em Cingapura, Suíça, Estados Unidos e Benin.
Essas informações, que já foram submetidas à PGR, ajudaram a justificar a operação de busca e apreensão nas casas e sedes de empresas de Cunha em dezembro passado. A operação, autorizada pelo Supremo, apreendeu, além do celular do parlamentar, diversos documentos bancários que relacionam Cunha ao corretor de valores Lúcio Funaro, investigado no mensalão, em 2005. O presidente da Câmara nega as irregularidades.


COMENTÁRIOS
paulo nery - 13/01/2016 08h29min
SE LADRÃO DE GALINHA VILIPENDIA A JUSTIÇA, DEUS MEU, QUE DIRÁ ESTE FIGURAÇO!!!!

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
STF autoriza quebra de sigilo fiscal e bancário de Edison Lobão Foco da Lava Jato em 2016 será contas ilegais, diz Dallagnol
MPF estabeleceu que, em 2016, os principais objetivos da Operação Lava Jato serão identificar mais contas no exterior
Senador Aécio Neves rebate denúncia de que teria recebido dinheiro da UTC

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo