Porto Alegre, terça-feira, 12 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h32.
Aniversário da Caixa Econômica Federal.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
28°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0440 4,0460 0,14%
Turismo/SP 3,7000 4,2400 0,71%
Paralelo/SP 3,7000 4,2400 0,71%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Patrimônio Histórico Notícia da edição impressa de 13/01/2016. Alterada em 12/01 às 20h33min

Para Justiça, impasse do inventário do Petrópolis pode gerar danos

Jessica Gustafson

Após sete meses sem nenhuma resolução no impasse entre os moradores contrários à listagem de imóveis do bairro Petrópolis no inventário do Patrimônio Histórico e a prefeitura de Porto Alegre, o escritório Daniel Nichele Advocacia obteve ontem na Justiça uma liminar em mandado de segurança contra a Secretaria Municipal de Cultura, determinando que a Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural (Epahc) dê o devido andamento ao processo, remetendo para o Conselho do Patrimônio Histórico Cultural (Compahc) analisar as impugnações dos proprietários.
Segundo Daniel Nichele, advogado de alguns proprietários, o julgador entendeu que a demora da decisão judicial pode causar dano irreparável à pessoa que tiver a pretensão de construir um empreendimento imobiliário, por ela estar com o seu investimento parado desde a data do referido inventário de bens do bairro Petrópolis. A listagem atual abrange cerca de 400 imóveis alguns já estavam na primeira lista, outros não. Segundo Nichele, um dos proprietários, quando comprou imóveis no bairro, consultou a prefeitura sobre a viabilidade de construção de empreendimentos no local e obteve resposta positiva. Posteriormente à compra, os imóveis foram bloqueados.
Em janeiro de 2014, foi publicado, no Diário Oficial do município, o primeiro inventário. Cerca de 200 casas foram classificadas pela Epahc como imóveis de estruturação, que deveriam ser preservados, e cerca de 160 como de compatibilização, que têm relevância pela composição do entorno. Em maio do mesmo ano, após protesto de moradores que entenderam que os bens se desvalorizariam com a medida, o prefeito José Fortunati anulou a listagem por conter falhas, como falta de quórum na votação do Compahc e o não bloqueio prévio das casas enquanto os estudos eram realizados. Um mês antes, o inventário já havia sido suspenso pela Justiça.
O Epahc iniciou, então, uma nova listagem, que já está concluída. Para ser válido, o inventário precisa passar pelo conselho e ser assinado pelo Executivo.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo