Porto Alegre, quarta-feira, 27 de janeiro de 2016. Atualizado às 23h01.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
30°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0850 4,0870 0,44%
Turismo/SP 3,8500 4,2600 0%
Paralelo/SP 3,8500 4,2600 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Indústria Automotiva Notícia da edição impressa de 28/01/2016. Alterada em 27/01 às 22h50min

Trabalhadores da GM ameaçam entrar em greve a partir desta segunda-feira

JONATHAN HECKLER/JC
Metalúrgicos fizeram ato ontem em frente a uma empresa sistemista

Jefferson Klein

A reunião ocorrida ontem entre representantes da montadora GM e do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, para tratar do pagamento da segunda parcela do Programa de Participação nos Resultados (PPR), acabou sem atingir um consenso.
Um novo encontro será realizado hoje para debater o assunto, porém o diretor do sindicato Valcir Ascari adianta que, se não for fechado um acordo em breve, a tendência é que os funcionários entrem em greve a partir da próxima segunda-feira.
De acordo com o dirigente, a companhia não quer pagar a segunda parcela do PPR alegando que a meta do ano passado não foi cumprida. No entanto, Ascari diz que houve queda de produção devido a fatores externos, como greve de cegonheiros (caminhoneiros que fazem o transporte dos automóveis produzidos na fábrica) e problemas com o fornecimento de componentes como motores. O diretor defende que o colaborador da GM não pode sofrer por razões que saem do seu controle. Segundo o sindicato, faltaram 18 mil carros para que a meta de 2015 (285 mil automóveis) fosse completamente atingida. "A GM pode até não pagar (o PPR), mas vai se arrepender", ameaça. Ontem pela manhã, os metalúrgicos fizeram uma paralisação de duas horas na empresa TI Automotive, sistemista da montadora em Gravataí. Ascari adianta que outras manifestações deverão acontecer, contudo prefere não dar detalhes sobre essas ações. O dirigente acrescenta que os funcionários da GM também estão preocupados com o lay-off (suspensão de contrato de trabalho) e a concessão de férias coletivas prevista para o período de 11 a 28 de fevereiro. Não é a primeira discussão enfrentada pela GM neste ano, no País, quanto à participação em resultados. Neste mês, o tema motivou greve dos trabalhadores da unidade de São José dos Campos (SP).
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Metalúrgicos de Gravataí pressionam GM por PPR Venda de veículos cai 26,6% e produção recua 22,8% em 2015, diz Anfavea
Em 2014, foram vendidas 3,50 milhões de unidades

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo