Porto Alegre, quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Atualizado às 19h25.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
33°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1640 4,1660 1,51%
Turismo/SP 3,8700 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 3,8700 4,3600 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Teatro Antônio Hohlfeldt


Teatro

Acontece Notícia da edição impressa de 22/01/2016

Revivendo a commedia dell'arte

Menecmos (gêmeo) é como se chamava a peça do dramaturgo romano Plauto, que serviu de inspiração para A comédia dos erros, de William Shakespeare que, por sua vez, ambas ajudaram Carlo Goldoni a idealizar Os dois gêmeos venezianos, que Suzi Martinez adaptou, dirigiu e que cumpre temporada no Porto Verão Alegre, constituindo-se em mais uma estreia a ocorrer neste festival que, assim, rompe certo marasmo das reprises e reposições para trazer espetáculos novos ao público local.
O risco de se assistir a estes textos ditos clássicos é esperar-se deles as mesmas características narrativas dos espetáculos concebidos contemporaneamente, em tempos de internet e de fragmentação temporal e espacial. Ora, para se poder usufruir um texto como o de Goldoni, há que se voltar um pouco no tempo e desfrutarmos do prazer de acompanhar uma intriga que é, ao mesmo tempo, comum e criativa, porque depende, não apenas do enredo em si mesmo, quanto da competência de um diretor - capaz de manter o ritmo do espetáculo - e de um elenco - hábil suficiente para trazer graça a seus personagens.
Neste caso, em que pese a referência aos gêmeos, aqui vividos por Luciano Pieper, na verdade a grande figura em cena é o Arlequim, interpretado por Henrique Gonçalves (não por acaso, ele é quem aparece em primeiro lugar no rol de intérpretes do programa de encenação). E isso ocorre, de certo modo, por uma ironia do destino, ou melhor, da história da dramaturgia e, sobretudo, da história do espetáculo teatral ocidental: Goldoni tinha fortes restrições à comedia dell'arte, que considerava um espetáculo menor, graças às suas improvisações, muitas vezes de mau gosto e à repetição de seus tipos, como o arlequim, a colombina, o doutor etc. Para derrubar esta (que considerava má) tradição, Goldoni resolveu desenvolver uma dramaturgia que, embora guardasse as referências a tais tipos, aprofundaria os traços psicológicos e emocionais, transformando os tipos em personagens, permitindo-lhe, pois, analisar mais profundamente as contradições dos caracteres humanos.
Foi um prolífico dramaturgo: de certo modo, alcançou seus intentos, mas, com o passar das décadas, seu nome acabou ligado justamente ao gênero que queria fazer desaparecer. Certamente, o dramaturgo por vezes deve se revolver na cova, mas o que fazer? A sabedoria popular resolveu bem a questão. É provável que, sem a dramaturgia de Goldoni, tais tipos se tivessem perdido nas sombras da história dramática, justamente porque os textos de tais espetáculos não eram escritos, transmitindo-se tais tradições de geração para geração.
Graças a Goldoni, fixaram-se os tipos no texto dramático, as figuras - embora criticadas, continuaram presentes no palco - e a tradição se perpetuou. Esta é a importância, pois, de se poder assistir a um texto como Os dois gêmeos venezianos: uma peça deste tipo fez e faz, ainda hoje, a passagem entre dois tipos de espetáculos teatrais, ambos imprescindíveis para a tradição: aquele que valoriza o espetáculo e aquele que defende a importância do texto.
Goldoni acabou ficando no meio termo, e com isso garantiu a ambos: o enredo de Os dois gêmeos venezianos é simples, simplório mesmo, até porque se repetiria e se reinventaria nas comédias de costumes que atravessariam o século XIX e invadiriam o século XX. Mas é através deste tipo de enredo que podemos conhecer os usos e costumes cotidianos de determinadas sociedades, no caso, a italiana do século XVIII, em que os interesses grosseiros e imediatos, na maioria das vezes, venciam sobre os ideais e as utopias (aliás, é assim que ficamos reconhecendo, também, que a humanidade sempre teve tais comportamentos e desvios). Neste caso, Goldoni ousa matar um personagem, mas ao contrário da tragédia, que aqui se esboçaria, consegue, através de um subterfúgio que, um século depois, o folhetim ressuscitaria e que sobrevive até hoje nos folhetins eletrônicos da televisão, garantir o divertimento e um final feliz: a potencial viúva perdeu o possível noivo, mas encontrou um irmão. E o irmão, por sua vez, garantiu uma noiva e uma irmã, sem trair a nenhuma das duas... Quando vamos encontrar um final feliz assim nos enredos contemporâneos?
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Caixa de pont[o], jornal dedicado às artes cênicas
Caixa de pont[o] é um jornal dedicado exclusivamente às artes cênicas

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo