Porto Alegre, quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Atualizado às 19h25.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
33°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1640 4,1660 1,51%
Turismo/SP 3,8700 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 3,8700 4,3600 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Cinema Hélio Nascimento


Cinema

Notícia da edição impressa de 22/01/2016

Pai e filha

O fato de Steve Jobs já ter sido o personagem principal de outro filme, realizado em 2013 por Joshua Michael Stern, não inibiu o britânico Danny Boyle quando pensou em realizar, também ele, uma obra baseada na vida e no trabalho do empresário e um dos criadores das novas tecnologias de arquivamento e transmissão de dados. O filme anterior foi dirigido por um realizador sem expressão significativa e interpretado por um ator limitado. Boyle, ao contrário, é nome de prestígio na indústria e também entre os críticos. Ele já foi premiado com o Oscar por Quem quer ser um milionário?, em 2008. E o ator principal, Michael Fassbender, integra o grupo dos melhores intérpretes cinematográficos da atualidade, tendo sido visto há pouco na mais recente versão de Macbeth. Sua companheira de elenco, Kate Winslet, é atriz das mais requisitadas e igualmente consagrada por diversas premiações. Estamos, portanto, diante de uma produção ambiciosa, que tem outra característica a ser mencionada. Seu roteirista, Aaron Sorkin, é o mesmo que escreveu para o diretor David Fincher o roteiro de A rede social, que tinha como protagonista Mark Zuckerberg, um dos criadores do Facebook.
Boyle e seu roteirista certamente nem cogitaram realizar uma biografia nos moldes tradicionais. Optaram por outro caminho, selecionando três acontecimentos da vida de seu personagem. Assim, o filme Steve Jobs se afasta das convenções, mas não se distancia da exigência básica do cinema: a colocação em cena de personagens que vivem num mundo real. E utiliza tal opção de forma a acentuar aspectos que revelam a essência de um universo e das figuras que o habitam. E também sabe captar o que de mais significativo havia para ser ressaltado na personalidade do personagem principal da narrativa. O que mais se ressalta, em termos de direção, é a recriação da teatralidade. Nos três episódios estamos diante da preparação e encenação de um espetáculo. Nunca o veremos ser completamente encenado e mesmo em alguns momentos em que o mesmo está sendo desenvolvido, o espectador o contempla pelo outro lado da tela, com as imagens invertidas. Mas é sempre um espetáculo, com os diálogos interrompidos pelos avisos de assistentes de que é hora de entrar em cena. Este é o lado público do protagonista, seus momentos de glória, seus instantes de Seiji Ozawa, para lembrar o maestro que ele mesmo cita numa cena. Um trecho do filme, por sinal, transcorre num fosso de orquestra. Os ásperos diálogos com colaboradores colocam na tela o lado oculto, que o espetáculo procura esconder: o conflito de interesses e ambições.
Formalmente, outro destaque é a maneira como Boyle utiliza técnicas diversas para marcar cada período, desde o preto e branco e o tamanho da tela no prólogo até o esplendor da nitidez e da luz das imagens do cinema atual. É uma viagem no tempo, na qual o tema principal termina sendo o relacionamento entre o protagonista e a filha que ele termina por aceitar. Criança adotada, o personagem rejeita como adulto recriar o mundo familiar. Todo o poder e a glória alcançados não impedem o vazio e os impulsos destinados a esconder deficiências. A discussão com o colaborador, num teatro, como se fosse um duelo operístico, é um exemplo, entre tantos no filme, de como o adulto tenta fazer da criança um ser capaz de superar obstáculos. A cena final, que já foi vista como uma concessão do filme, é na verdade um reencontro e um recomeço. Não estamos, é claro, diante apenas de um inventor de gênio, mas de uma figura humana que o cineasta não retira da realidade e ao mesmo tempo a transforma em símbolo de um equilíbrio emocional finalmente atingido. As negativas do personagem se transformam em gesto de aproximação e o que havia sido sufocado desde o início consegue ultrapassar as barreiras erguidas pelo ressentimento. O traço feito pela menina é a marca do humano num cenário em que a tecnologia e o espetáculo da superficialidade aparentemente dominam. O novo filme de Danny Boyle tem o mérito de lembrar que para o cinema o principal será sempre a figura humana, suas grandezas e suas limitações, seu talento e sua imperfeição.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Pai, patrão
O diretor Pablo Trapero, um dos nomes destacados do cinema argentino, aprecia decifrar enigmas propostos pelas complexidades criadas pela realidade

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo